Casa Tainã -Quilombo Urbano: Presente na Rede de Cultura e Educação


Quilombo Urbano: Presente na Rede de Cultura e Educação

Casa Tainã “Encontro com as Estrelas”

A Casa de Cultura Tainã é um ponto de cultura localizado na Vila Padre Manoel da Nóbrega, na cidade de Campinas – SP. Ela foi fundada em 1989 pelos moradores da associação do bairro Vila Castelo Branco e que deram a ela esse nome que significa “Encontro com as estrelas”, em tupi-guarani. O próprio nome já mostra como nos sentimos ao entrar e conhecer um pouco da história desse “quilombo urbano” no interior do Estado de São Paulo.

A casa com vários e belos grafites, um parque infantil, na sala de entrada vários instrumentos musicais de percussão figuram como parte da mobília e um piano instiga a curiosidade pelo funcionamento do local, por como os jovens que ali frequentam utilizam aquele espaço.

Encontramos uma exposição de fotos e no centro da sala, vicejava uma muda de baobá. Ao fundo instrumentos de percussão e caixas de som também repousavam. Um espaço vivo. Na exposição: imagens de quilombos e quilombolas realizadas pelo Brasil em viagens feitas através do projeto da Rede Mocambos. A responsável pelas fotos é a jovem Laila, filha da casa e do projeto que nasceu há quase trinta anos na cidade de Campinas, idealizado e vivido por TC e comunidade. Sala de informática e biblioteca.

TC recebeu-nos com um café e uma longa conversa que nos revelou muito: de onde veio aquele homem alto e com olhar desafiador, de que forma chegou a conclusão de que sua vida não seria com base no que a escola capitalista lhe ditava e qual era sua fonte de aprendizagem para a vida: a música. TC contou-nos que desde pequeno, não gostava da organização e hierarquia imposta pela instituição escolar e que se rebelava, sendo identificado como alguém “indomável”. Identificava desde muito pequeno as manifestações racistas nos núcleos e círculos sociais de uma cidade que foi a última no Brasil a abolir a escravidão dos negros. Como negro, de família de trabalhadores negros, conheceu a história desse lugar que tentavam colocar os “ex-escravos”, em bairros a margem da cultura dominante e do espaço dos brancos. O bairro de onde veio, São Bernardo, teria sido o reduto desse povo expulso do centro de Campinas e se tornado uma fonte de trocas e sociabilidade.


Partilhou que acompanhava um tio nos bailes do clube onde só frequentavam os trabalhadores negros e foi aí que aprendeu a tocar, a se configurar como músico e parte da cultura afro-descendente. E a partir das influências da cultura negra, com a consciência e identidade negra aguçadas pelo preconceito e racismo naturalizado na cidade, contribuiu para a construção dos projetos que hoje a Casa de Cultura Tainã desenvolve como entidade autônoma.


Um dos projetos da casa– a Rede Mocambos. Este é uma rede de comunicação constituída entre pontos de cultura iorubá onde a centralidade se dá na reconstituição do vínculo do povo negro com sua ancestralidade através do cultivo do baobá. Esse resgate da cultura negra ancestral tornou-se o elo de ligação entre diversas comunidades no Brasil e na América Latina e configurou-se numa forma de resistência entre as diversas tecnologia de informação e comunicação existentes na atualidade. TC contou-nos como foi constituído um sistema criptografado e um processador próprio para trocas de informações entre os pontos participantes e estreitamento do convívio entre povos irmãos em origem e cultura. Exibiu um dos vídeos produzidos pela rede, na qual se expõe a experiência do significado do cultivo dos baobás e ensinou como funciona a rede e o acesso a ela.

Durante as várias trocas, chegou a jovem filha de TC e fotógrafa responsável pela exposição comentada no início do relato. Esta compôs nossas conversas e contou-nos um pouco como foi crescer num núcleo de vivências musicais e formativas nos quais sua visão e consciência de sua existência tornaram-se muito além do que o ensino escolar e o trabalho poderiam ensinar. Enquanto fazia para nós um suco verde com ervas colhidas do quintal da Casa Tainã, contou-nos como foi circular por vários quilombos fotografando e convivendo com as pessoas de outros estados brasileiros, falou de sua experiência tocando nos Tambores de Aço com outros jovens e de sua ligação com a educação popular no bairro.

Além da Rede Mocambos, a Casa de Cultura Tainã desenvolve os seguintes projetos: Nação Tainâ, Biblioteca Comunitária Lidas e Letras, a Orquestra de Tambores de Aço e o Tambor Menino. Esses projetos envolvem mais de 400 jovens na região metropolitana de Campinas, além de ter interlocução com muitos outros núcleos e pontos de cultura dentro e fora de Campinas, sendo conhecida internacionalmente por seu trabalho que liga tecnologia de comunicação e identidade cultural.


https://www.youtube.com/watch?v=H4syNVCvm-E

https://www.youtube.com/watch?v=b3B6Tqzd6Js

http://baobaxia.mocambos.net/#mocambos/abdias/bbx/search/

http://taina.net.br/

Autores: Caroline Florido, Glauce Gouveia, Antonio Silva TC

Comentários

Ainda não há comentários.